quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Tristeza



Tristeza



E depois de um dia difícil
Pensei ter visto você
Entrar pela minha janela e dizer:
- Eu sou a tua morte
Vim conversar contigo
La Maison Dieu, Renato Russo.



Ó tristeza, por que cortejas tanto a ele?
Morrendo... Ele está morrendo!!!
Ó tristeza, como ele despertou tamanho desejo em ti?
Morrendo... Ele está morrendo!!!
Forças ele não tem para dizer-te para não fazeis morada no peito dele.
Morrendo... Ele está morrendo!!!
Atenderá teu pedido... Ponhas a aliança no dedo dele e sejam tristes para sempre.
"Há males que vem para o bem.", diz o ditado popular.
Realmente isso faz sentido. Ele está triste e não se alimentando corretamente. 
Será agora cadavérico, seguindo a moda do verão.
Olha pela janela do seu quarto. O sol perfeito a brilhar, um dia perfeito.
Não sabe como tirar proveito dele, chove em seu peito, uma enorme tempestade.
Ele pensa: “Deus, seria egoísmo de minha parte pedir a ti para que chovesse
Lá fora e em troca aqui dentro... dentro desse peito úmido fizesse sol?’’.
Procurou entre poetas palavras que se igualem, descrevam a dor que sente.
Buscou em vão. Sua conclusão é que não existiu até hoje dentre eles
Alguém que conseguiu descrever o inimaginável.
Como alguém lhe cura de uma ferida profunda e depois lhe fere no mesmo lugar?
Um punhal cravado estava no peito de um homem que jazia agonizando, clamando
por piedade, pedindo para viver... - Morrendo... estou morrendo! Alguém me ajude. - dizia ele.
O anjo mais belo do céu escutou suas preces, voou para salvá-lo desse triste destino retirando o punhal e cuidando dele. Passado algum tempo desde então. Quando a ferida cicatrizou por completo o seu anjo salvador estava com um jeito diferente. O anjo murmura em seu ouvido: "Meu nome é tristeza, você não pode escapar de mim.", ao terminar de proferir estas palavras volta a enfiar o punhal com mais força desta vez, sem deixá-lo implorar por sua vida. 



                                                                                                             Clayton Levi

Nenhum comentário:

Postar um comentário