segunda-feira, 18 de março de 2013

Aragem

"...Outras vezes oiço passar o vento,
                                                E acho que só para ouvir passar o vento
 vale a pena ter nascido...". 
- Alberto Caeiro (heterônimo de Fernando Pessoa). 


Uma moça pura retira-se do seu assíduo recanto
Onde são disseminadas as palavras do rabino sacrossanto.
Senta-se no chão, munida de um lápis e o seu confessionário peculiar,
Seu diário, e se põe a confessar buscando se aliviar:
 
No meu coração guardo um pintor da bondade
Que sonha colorir o mundo com dignidade.
(sobre)viver nesse mundo cinza-ganância-egoísta
É deprimente. Tenho orgulho de ser altruísta.
 
Onde está o tão falado amor ao próximo?
Onde se escondeu o sentimento de dor
Pela tristeza do seu amicíssimo?
Pessoas hipócritas! Culpam o Acusador
 
Pelos seus próprios execráveis erros.
Coloco-me em estado de luto eterno por seres dessa linhagem.
Escondem-se atrás das mães como desmamados bezerros...
De repente, tudo se esvai ao sentir em seu rosto a carícia da aragem.

- Clayton Levi

Nenhum comentário:

Postar um comentário