quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Sonhos Impávidos


Me derramo sobre minha cama.
Escrevo sobre o que guardo na mente,
Pensamentos que a vida emana sem melodrama.
A lua banhando a minha existência enternecidamente.

Se esvai com o tempo a formosura.
Se fortifica com o tempo a inteligência.
Só há dúvida que enclausura
Um coração quando a escolha é feita com urgência.

Elas desse inverno são sonhos impávidos.
Uma faz-me devorá-la com olhos ávidos.
Outra enfeitiça-me com sua sabedoria de vida.

Irei depois de uma gélida cerva
Escolher dentre elas não uma serva,
Contudo a que me trará felicidade sendo a minha querida.


- Clayton Levi

Nenhum comentário:

Postar um comentário