quinta-feira, 27 de junho de 2013

Colcha de retalhos

          
           O meu porto seguro é a (in)segurança de um barco navegando para concluir o seu trajeto pelo oceano. A instabilidade é a única coisa estável da vida. A vida não tem cinto de segurança. Cada nuance sonhada é tecida com fios da possibilidade de realização. Cada retalho onírico é uma parte de uma colcha que agasalha a minha existência efêmera. O ato de viver é como uma senhora que transforma retalhos na mais aconchegante colcha. Viver é saber contornar os imprevistos do dia a dia e fazer o melhor com o que se tem a fim de resistir aos pesares e as vontades que se revelam cada vez mais sufocantes.

- Clayton Levi

Nenhum comentário:

Postar um comentário